Page Nav

HIDE

Grid

LIST_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}

Header Ads

GDF Contra a Dengue
{latest}

BRASIL | JUSTIÇA - LULA LIVREEEE! SÓ QUE NÃO... LULA pode voltar a ser inelegível - Decisão deve ser revista pelo plenário do STF.

Marco Aurélio diz que decisão de Fachin sobre Lula causa “perplexidade” “Não é entendida pela sociedade” Defende “serviços” de Sergio Moro O...

Marco Aurélio diz que decisão de Fachin sobre Lula causa “perplexidade”

“Não é entendida pela sociedade”

Defende “serviços” de Sergio Moro

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), em sessão da 1ª turma da CorteSérgio Lima/Poder360

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello disse que a decisão do ministro Edson Fachin de anular as condenações do ex-presidente Lula (PT) na Lava Jato causa “perplexidade”.

O decano disse não ter lido a liminar proferida por Fachin, que declarou a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba julgar as ações contra Lula. Afirmou, no entanto, que vai se “debruçar” sobre a decisão do colega.

“A decisão causa uma perplexidade enorme e não é entendida pela sociedade em geral. Realmente, ainda vou me debruçar na decisão proferida e ver as premissas lançadas pelo ministro Fachin”, declarou Marco Aurélio em entrevista concedida à BandNews TV nessa 2ª feira (8.mar.2021).

“O que surge inicialmente é a potencialização do princípio da territorialidade. Ou seja, o órgão competente para julgar a ação é o do local em que foi cometido o crime. E tudo indica que ele concluiu que os crimes não foram praticados no Paraná”, disse o ministro.

Em outra entrevista, concedida ao jornal O Globo, Marco Aurélio afirmou que o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que julgou as ações contra Lula em Curitiba, “não pode ser execrado”.

“Não podemos, a esta altura da vida judicante, execrar o juiz Sergio Moro. Ele tem uma folha de serviços prestados ao país”, disse.

GILMAR QUER JULGAR SUSPEIÇÃO DE MORO

O ministro Gilmar Mendes vai insistir na análise das acusações de suspeição do ex-juiz de Curitiba. O assunto deve entrar na pauta da sessão da 2ª Turma do Supremo desta 3ª feira (9.mar).

Para o ministro Edson Fachin, as acusações de que o ex-juiz da Lava Jato teria sido parcial perdem o objeto (validade). Gilmar Mendes, que relata o caso de Moro, pensa diferente.

FONTE: PODER360.COM.BR, EPOCA.GLOBO.COM,NOTICIAS.UOL.COM.BR.

EDIÇÃO:
REDAÇÃO DO GRUPO

 

Nenhum comentário