Page Nav

HIDE

Grid

LIST_STYLE

Classic Header

{fbt_classic_header}

Header Ads

GDF Contra a Dengue
{latest}

McDonald's dá adeus à RÚSSIA, e país volta a amargar os sombrios tempos da antiga URSS depois de 30 anos

Fim do McDonald's na Rússia e país volta aos tempos remotos da União Soviética: sem nenhum progresso ...

Fim do McDonald's na Rússia e país volta aos tempos remotos da União Soviética: sem nenhum progresso
Em Moscou, o McDonald's faz as malas, o rádio silencia e a fuga de cérebros começa
Artigo analisa como a debandada de empresas ocidentais impacta na vida dos russos e os leva de volta ao tempo da União Soviética

Caminhando por Moscou hoje, há um vazio nos lugares pelos quais passei inúmeras vezes ao longo dos anos. O arranha-céu da Avenida New Arbat, que até a semana passada abrigava a estação de rádio independente "Eco de Moscou", está em silêncio. O McDonald's na Praça Pushkin está igualmente vazio.

Em um dos grandes shoppings de Moscou, uma mulher está sentada no chão de uma perfumaria, juntando todos os produtos disponíveis para ela – de rímel a batom. É tanto um ato de desespero quanto uma despedida da civilização ocidental que chegou à Rússia há 30 anos. Agora as pessoas estão percebendo: a economia russa está tão nua quanto os shoppings esvaziados de marcas globais.

Nos últimos anos, a sociedade russa tornou-se uma sociedade de shopping. As pessoas passam seus fins de semana nesses centros de consumo; indo para lá para passear, visitar restaurantes, assistir a filmes e, claro, fazer compras. A Rússia é o paraíso dos consumidores – especialmente após o crescimento econômico do início dos anos 2000 – graças aos altos preços do petróleo russo e ao fim do período de transição pós-soviético.

Loja do McDonald's na Praça Pushkin, em Moscou (Foto: Wikimedia Commons)

Nestes tempos de boom, o consenso geral entre as classes médias das grandes cidades tem sido "sim, temos um líder autoritário, mas por que precisamos de democracia?". Os russos, ao que parece, estavam indo muito bem sem democracia – aprendemos que tipos de vinhos gostamos de beber, somos exigentes com carros e resorts de férias no exterior. Desde a queda da União Soviética, empresas estrangeiras, marcas, tecnologia, peças e parceiros aumentaram o emprego e expandiram as competências. Ainda estamos sozinhos – política e militarmente – mas no estilo de vida não somos diferentes dos ocidentais.

Ao longo dos anos, o McDonald's tornou-se, aos olhos dos russos, associado a jovens e gerentes de baixo escalão. Há muito seu simbolismo estava esquecido – do mundo ocidental chegando à URSS. O primeiro McDonald's na Rússia abriu em Moscou em janeiro de 1990, mais de um ano antes do colapso da União Soviética em dezembro de 1991. Quando o McDonald's fechou na última semana, sinalizou o fim do Ocidente na Rússia autoritária. Os dias de nosso alegre consumo global haviam acabado e apontavam para outros mais sombrios à frente.

É claro que, comparado ao horror que está acontecendo na Ucrânia, o fechamento de marcas parece insignificante. Elas são apenas símbolos do colapso econômico na Rússia, provocado pela invasão – e sanções subsequentes.

E tudo por causa do autocrata. Na Rússia e além, os sistemas econômicos e sociais estão entrando em colapso. Talvez com um pouco mais de tempo tivesse crescido uma geração que pudesse modernizar seriamente a Rússia, mesmo apesar da presença excessiva do Estado. Agora, esta geração não está apenas partindo, mas fugindo: para Tbilisi, Yerevan, Istambul, Tel Aviv e outros lugares.

Não é apenas uma sensação de que há um desemprego gigantesco se aproximando, há uma reversão da qualidade de vida. Quem precisa do McDonald's quando aparentemente podemos nos alimentar do nosso próprio orgulho e falsa grandeza, com inflação semanal de 2,2%?

Em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia, a classe média perdeu seu jamon e parmeggiano por causa das contra-sanções russas. Mas a Rússia supostamente tornou-se "grande novamente", de acordo com o entendimento de Vladimir Putin sobre a situação e a opinião da maioria dos russos. Em 2022, a chamada "operação militar" da Rússia na Ucrânia, no espaço de duas semanas, a isolou do mundo civilizado.

E isso é apenas o começo. A nação sofrerá humilhação quando perceber que não temos nossos próprios carros, fraldas, comida de bebê e brinquedos porque os produzimos com base em tecnologia ocidental e materiais importados. Haverá escassez de medicamentos, por causa da dependência de importações, e talvez até de necessidades básicas. Não é à toa que os russos correram para comprar açúcar e cereais.

Mas garantimos a nós mesmos que somos grandes, que todos nos temem e nos odeiam, e se não tivéssemos atacado preventivamente, haveria tropas da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) na Crimeia e em Donbass. E essa é a música que muitas pessoas ainda cantam, embora com mais insegurança nos dias de hoje.

Entre alguns, há um sentimento de raiva pelo mundo que nos aliena. E em outros casos, a raiva é direcionada ao líder que nos colocou nessa posição. Pessoas conscientes vão às ruas. Mas não há muitos protestos, principalmente porque são brutalmente reprimidos.

"Mas era assim que você vivia sob a União Soviética", meu amigo, um cientista político da Armênia, comentou comigo recentemente. Não foi assim. Naquela época, não conhecíamos outra vida. Vivemos 30 anos após o colapso da União Soviética, mas agora não estamos avançando em direção a um mercado normal como na década de 1990, mas de volta a uma economia e modo de vida primitivos. É uma viagem no tempo. Tudo pelo que lutamos uma vez perdemos da noite para o dia. E, a propósito, a União Soviética competiu em eventos esportivos sob sua própria bandeira.

A pior coisa para o membro da intelligentsia russa pós-soviética é alcançar o ícone de rádio "Eco de Moscou" no computador e encontrá-lo vazio. Assim como ninguém acreditava que Putin pudesse invadir seriamente a Ucrânia, ninguém poderia acreditar que a "Eco de Moscou", essencialmente um símbolo de liberdade e pertencimento ao mundo como o McDonald's, que surgiu simultaneamente com ele, desapareceria.

Mas o McDonald's também está indo embora, embora diga que é temporário e que vai pagar os salários de seus 62 mil funcionários por um tempo. Talvez, de fato, volte algum dia – e isso será um símbolo de pelo menos algum tipo de normalização.

FONTEAREFERENCIA.COM EDIÇÃO: REDAÇÃO GRUPO M4

UMA MARCA DO GRUPO

*CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK, SIGA-NOS NO INSTAGRAM E TWITTER, COMPARTILHE AS NOSSAS PUBLICAÇÕES*

*Instagram* - https://www.instagram.com/tribunadobrasil/

*Facebook* - https://web.facebook.com/tribunadobrasil.BR/

*Twitter* - https://twitter.com/tribunabrasilBR

*e-Mail*: grupoM4.contato@gmail.com

#brasil #brasilia #riodejaneiro #saopaulo #ceara #bahia #minasgerais #riograndedosul #riograndedonorte #santacatarina #jornalista #andersonmiranda #noticias #grupom4 #comunicacao #producao #publicidade #tribunadobrasil #tribunadodf #alobrasilia #daquidf #eixonacional #deputadosesenadores #prefeitosevereadores #entendercondominio #folhadodf #informaconcurso #jknoticias #jornaldoentorno #maisaguasclaras #opasquimdobrasil #pautanacional  #consultarimoveis #jornalismo

Nenhum comentário